Mito, política e história.

Segue link do meu comentário desta semana na Rádio Metrópole (“Mito e História):  http://www.metro1.com.br/?varSession=podcasts&busca=marco%20antonio%20villa

Share Button

,

4 Comentários

Lula e a corrupção.

Segue link do meu comentário (nesta versão já são mais de 100 mil visualizações) no Jornal da Cultura:

Share Button

,

1 Comentário

Discutindo os protestos de junho de 2013

Segue link da entrevista sobre as manifestações de junho. Entrevista com Adalberto Piotto:

Share Button

, ,

Nenhum comentário.

Paulo Maluf e a corrupção.

Segue link de um comentário no Jornal da Cultura sobre o impoluto Paulo Maluf:

Share Button

,

Nenhum comentário.

A Petrobras tem de ser estatizada.

Segue link do meu comentário “A Petrobras tem de ser estatizada” na Rádio Metrópole:

http://www.metro1.com.br/?varSession=podcasts&varEditoria=busca&busca=marco+antonio+villa

Share Button

, ,

23 Comentários

Década Perdida – Dez anos de PT no poder.

Acabou de sair a 8ª edição do meu livro “Década perdida. Dez anos de PT no poder” editado pela Record. Aproveito para agradecer aos leitores.

Share Button

, , , , , , ,

8 Comentários

Cara ou coroa – Debatendo o regime militar.

Segue link do debate (em duas partes) do filme “Cara ou coroa” de Ugo Giorgetti:

Parte 1: https://www.youtube.com/watch?v=zVbvvCqNN2k

Parte 2:  https://www.youtube.com/watch?v=8lNGhb4gDZ0

 

Agradeço a informação ao Renato.

 

Share Button

,

9 Comentários

Os gigolôs da memória.

Publiquei em O Globo:

 

Marco Antonio Villa

 

Os gigolôs da memória

Não é possível ignorar o caos instalado no país em março de 1964

A lembrança dos 50 anos da queda de João Goulart ocupou amplo espaço na imprensa. Nenhum outro acontecimento da história do Brasil foi tão debatido meio século depois do ocorrido. Para um otimista, isto poderia representar um bom sinal. Afinal, o nosso país tem uma estranha característica de esquecer o que ocorreu ontem. Porém, a reflexão e o debate sobre 1964 e o regime militar acabaram sendo dominados justamente por aqueles que conduziram o país à crise da república populista e que negaram os valores democráticos nos anos 1960-1970.

A tendência à hagiografia mais uma vez esteve presente. João Goulart foi transformado em um presidente reformista, defensor dos valores democráticos e administrador capaz. Curiosamente, quando esta narrativa é cotejada com relatos de assessores, como o ministro Celso Furtado, ou de um amigo, como o jornalista Samuel Wainer, cai por terra. Furtado, em entrevista à revista “Playboy” (abril, 1999) disse que Jango “era um primitivo, um pobre de caráter”. Wainer relatou que “uma vez por mês, ou a cada dois meses, eu visitava os empreiteiros e recolhia suas doações, juntando montes de cédulas que encaminhava às mãos de João Goulart. (…) Eu poderia ter ficado multimilionário entre 1962 e 1964. Não fiquei.” (“Minha razão de viver”, p. 238).

Não é possível ignorar o caos instalado no país em março de 1964. A quebra da hierarquia militar incentivada pelo presidente da República é sabidamente conhecida. A gravidade da crise econômica e a inépcia governamental em encontrar um caminho que retomasse o crescimento eram mais que evidentes. O desinteresse de Jango de buscar uma solução negociada para o impasse não pode ser contestado: é fato. O apego às vazias palavras de ordem como um meio de ocultar a incompetência político-administrativa era conhecido. Conta o senador Amaral Peixoto, presidente do Partido Social Democrático, que em conversa com Doutel de Andrade, um janguista de carteirinha, este, quando perguntado sobre o projeto de reforma agrária, riu e respondeu: “Mas o senhor acredita na reforma agrária do Jango? No dia em que ele fizer a reforma agrária, o que vai fazer depois?” (“Artes da política”, p.455)

Também causa estranheza a mea culpa de alguns órgãos de imprensa sobre a posição tomada em 1964. A queda de Jango deve ser entendida como mais um momento na história de um país com tradição (infeliz) de intervenções militares para solucionar crises políticas. Nos 40 anos anteriores, o Brasil tinha passado por diversas movimentações e golpes civis-militares. Basta recordar 1922, 1924, Coluna Prestes, 1930, 1932, 1935, 1937, 1938, 1945, 1954, 1955 — tivemos três presidentes da República e dois golpes no mês de novembro – e 1961.

Jogar a cartada militar fazia parte da política. E nunca tinha ocorrido uma intervenção militar de longa duração. Esperava-se um governo de transição que garantisse as eleições de 3 de outubro de 1965 e a posse do eleito em 31 de janeiro de 1966. Esta leitura foi feita por JK — e também por Carlos Lacerda. Os dois principais antagonistas da eleição que não houve imaginavam que Castello Branco cumpriria o compromisso assumido quando de sua posse: terminar o mandato presidencial iniciado a 31 de janeiro de 1961.

JK imaginou que Castello Branco era o marechal Lott e que 1964 era a repetição — um pouco mais agudizada — da crise de 1955. Errou feio. Mas não foi o único. Daí a necessidade de separar 1964 do restante do regime militar. Muitos que foram favoráveis à substituição de Jango logo se afastaram quando ficou patente a violação do acordado com a cúpula militar. Associar o apoio ao que se imaginava como um breve interregno militar com os desmandos do regime que durou duas décadas é pura hipocrisia.

Ainda no terreno das falácias, a rememoração da luta armada como instrumento de combate e vitória contra o regime foi patética. Nada mais falso. Nenhum daqueles grupos — alguns com duas dúzias de militantes — defendeu em momento algum o regime democrático. Todos — sem exceção — eram adeptos da ditadura do proletariado. A única divergência é se o Brasil seguiria o modelo cubano ou chinês. Não há qualquer referência às liberdades democráticas — isto, evidentemente, não justifica o terrorismo de Estado.

A ação destes grupos os aproximaram dos militares. Ambos entendiam a política como guerra — portanto, não era política. O convencimento, o respeito à diversidade, a alternância no governo eram considerados meras bijuterias. O poder era produto do fuzil e não das urnas. O que valia era a ação, a força, a violência, e não o discurso, o debate. Garrastazu Médici era, politicamente falando, irmão xifópago de Carlos Marighella. Os extremos tinham o mesmo desprezo pelo voto popular. Quando ouviam falar em democracia, tinham vontade de sacar os revólveres ou acionar os aparelhos de tortura.

Em mais de um mês não li ou ouvi qualquer pedido de desculpas públicas por parte de ex-militantes da luta armada. Pelo contrário, se autoproclamaram os responsáveis pelo fim do regime militar. Ou seja, foram derrotados e acabaram vencedores. Os policiais da verdade querem a todo custo apagar o papel heroico da resistência democrática. Ignoraram os valorosos parlamentares do MDB. Alguém falou em Lysâneas Maciel? Foi ao menos citado o senador Paulo Brossard? E a Igreja Católica? E os intelectuais, jornalistas e artistas? E o movimento estudantil? E os sindicatos?

Em um país com uma terrível herança autoritária, perdemos mais uma vez a oportunidade de discutir a importância dos valores democráticos.

Share Button

,

17 Comentários

O regime militar – entrevista para Deutsche Welle

Segue link da reportagem: http://www.dw.de/debate-sobre-1964-nunca-foi-t%C3%A3o-presente-mas-ainda-%C3%A9-limitado/a-17523282

Share Button

,

8 Comentários

Cara ou coroa – filme e debate

Hoje na TV Cultura às 22:30 horas vai passar o (belo) filme de Ugo Giorgetti “Cara ou coroa”. Em seguida haverá um debate com José Álvaro Moisés, Sérgio Mamberti e eu.

Share Button

,

7 Comentários